• Comunidade Internacional Bahá'í

EXPOSTO: plano da liderança iraniana de enriquecer às custas de confiscos de propriedades bahá'ís


Fotos de propriedades que podem ser confiscadas pela Execução da Ordem do Imam Khomeini pertencentes aos bahá'ís na Província de Semnan do Irã.

GENEBRA—16 de fevereiro de 2022—


A Comunidade Internacional Bahá'í está seriamente preocupada com o fato de que uma organização inteiramente controlada pela liderança do Irã - um órgão paraestatal chamado Execução da Ordem do Imam Khomeini (EIKO, também conhecido como Setad), que controla vários ativos em todo o Irã—está orquestrando uma crescente onda de confiscos de propriedades pertencentes aos bahá'ís iranianos.


No exemplo mais recente, um Tribunal Revolucionário da província de Semnan ordenou que as propriedades pertencentes a seis bahá'ís fossem transferidas para a EIKO. O dirigente da EIKO da província de Semnan, Sr. Hamid Ahmadi, iniciou a ação para garantir uma ordem judicial para os confiscos.


"O confisco das propriedades dos bahá'ís pela Execução da Ordem do Imam Khomeini é um desenvolvimento fora do comum e muito preocupante para os bahá'ís iranianos", disse Diane Ala'i, representante da Comunidade Internacional Bahá’í nas Nações Unidas em Genebra. “Esse desenrolar demonstra que a liderança de nível mais alto do Irã está orquestrando a perseguição aos bahá'ís no Irã”.


No mês passado, um apartamento na província de Mazandaran pertencente à uma bahá'í, Sheida Taeed, foi confiscado; em dezembro do ano passado, treze terrenos agrícolas irrigados pertencentes a bahá'ís na aldeia de Katá na província de Kohgiluyeh e Boyer-Ahmad foram confiscados em meio à uma crise hídrica; fazendas pertencentes e cultivadas por famílias bahá'ís por mais de um século na aldeia de Roshankooh, também em Mazandaran, foram apreendidas; e em março passado, uma campanha global que se destacou sob a hashtag #ItsTheirLand chamou a atenção sobre anos de esforços governamentais para extirpar dezenas de famílias de agricultores da aldeia de Ivel, em Mazandaran.


As propriedades em Semnan foram transferidas para a EIKO por um juiz do Tribunal Especializado para a aplicação do Artigo 49 da Constituição Iraniana, Sr. Muhammad-Qasim 'Aynu'l-Kamali. O Artigo 49 exige que o governo prove a legitimidade de tais apreensões de acordo com a lei islâmica. O uso indevido desse dispositivo para justificar os confiscos demonstra motivação religiosa por trás deles.


"A liderança do Irã está se enriquecendo enquanto empobrece e despeja os bahá'ís", disse Ala'i. “Os confiscos nas províncias de Semnan, Mazandaran, e Kohgiluyeh e Boyer-Ahmad podem ser apenas o começo. O risco é que mais propriedades continuem a ser apreendidas, de forma fragmentada, na tentativa de escapar da atenção da comunidade internacional. Os defensores dos direitos humanos dentro e fora do Irã devem condenar essa decisão escandalosamente injusta e exigir que ela seja revogada sem demora”.


A Comunidade Internacional Baha’í já havia chamado a atenção para o fato de que Semnan – onde as apreensões de bens remontam décadas – foi usado como um laboratório para preparar campanhas sistemáticas de perseguição contra os bahá'ís em todo o Irã. Os ataques aos bahá'ís em Semnan têm sido notáveis ​​pela sua intensidade particular, pela mobilização e coordenação de elementos oficiais e não oficiais, incluindo a polícia, tribunais, autoridades locais e o clero, e pela perseguição que vai do discurso de ódio ao estrangulamento econômico, prisões e ataques físicos.


Histórico:

  • Os bahá'ís são a maior minoria religiosa não muçulmana do Irã e têm sido sistematicamente perseguidos pelo governo desde a Revolução Islâmica de 1979.

  • Mais de 200 bahá'ís foram executados nos anos seguintes à Revolução Islâmica.

  • Um documento de política estatal de 1991 assinado pelo líder supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, requer que o progresso e o desenvolvimento da comunidade bahá'í do Irã fossem "bloqueados" e que aos bahá'ís fossem negados acesso à educação e aos meios de subsistência. Milhares de artigos de propaganda contra os bahá'ís são publicados na mídia estatal do Irã a cada ano.

  • Centenas de propriedades privadas dos bahá'ís, incluindo casas, pequenos negócios e fazendas, foram confiscadas desde a Revolução Islâmica.

Veja BIC.org para maiores informações sobre a perseguição dos bahá'ís no Irã:

https://www.bic.org/focus-areas/situation-iranian-bahais



Fonte: Bahá'í International Community. Original em inglês disponível aqui.

42 visualizações