• Bahá'í World News Service

Em meio a ciclos de guerra, comunidade resiliente estimula esperança na República Centro-Africana


BANGUI, República Centro-Africana, 1 de Junho de 2021 - Um conflito armado de vários anos na República Centro-Africana (C.A.R.) interrompe a vida em todo o país e já deslocou centenas de milhares de pessoas.


Em meio a esta crise, a Assembleia Espiritual Nacional Bahá'í guiou os bahá'ís do país em seus esforços para contribuir para o progresso social, mais recentemente contando com uma rede de pessoas engajadas em atividades de construção de comunidade para canalizar assistência onde é mais necessário.


Esforços para ajudar são realizados de acordo com as medidas de segurança exigidas pelo governo. Membros do comitê de emergência e de uma Assembleia Espiritual Local Bahá'í trabalham juntos na coordenação da distribuição de pacotes de ajuda humanitária entre os residentes da aldeia.

Em declarações ao Bahá’í World News Service, Hélène Pathé, membro da Assembleia Espiritual Nacional, descreve o contexto no qual tais iniciativas estão se desdobrando em algumas partes do país: “O país tem enfrentado sérios desafios. Existem lugares onde as pessoas foram gravemente afetadas e tiveram que fugir, abandonando suas casas e perdendo seus meios de subsistência. Esta é a condição em muitas regiões.”


Apesar dessas condições, os bahá'ís nessas áreas ajudaram a promover a resiliência e uma vida comunitária vibrante que resistiu aos ciclos de guerra. Por décadas, reuniões regulares de oração têm fortalecido os laços de amizade, e os programas educacionais bahá'ís têm desenvolvido nas crianças e jovens uma profunda apreciação pela unidade de todos os povos, raças e religiões.


Uma das escolas comunitárias estabelecidas com o apoio de uma organização de inspiração bahá'í na República Centro-Africana

Durante tempos de conflito intenso, quando populações inteiras tiveram que abandonar suas aldeias, professores de escolas comunitárias estabelecidas com o apoio de uma organização de inspiração bahá'í buscaram maneiras de restabelecer os programas em locais temporários, explica a Sra. Pathé.


Como parte de seus esforços para aumentar ainda mais sua capacidade de responder às crises, a Assembleia Espiritual Nacional formou um comitê de emergência em março. Os membros do comitê, incluindo a Sra. Pathé, começaram a trabalhar rapidamente. Em poucas semanas, eles montaram uma equipe e foram para as áreas identificadas para ajudar pessoalmente.


Membros do comitê de emergência estabelecido pela Assembleia Espiritual Nacional partem de Bangui para entregar suprimentos às comunidades afetadas pelo conflito armado.

Em três dias, eles dirigiram centenas de quilômetros de Bangui, a capital, até a cidade de Bambari, parando em outras quatro cidades ao longo do caminho para fornecer itens essenciais, como remédios para doenças transmitidas pela água, para pessoas que estavam voltando do refúgio em áreas de floresta. Viajar para essas comunidades foi permitido mesmo sob as restrições de saúde do governo devido a existência de exceções para trabalhos humanitários.


O comitê de emergência trabalhou em estreita colaboração com as Assembléias Espirituais Locais Bahá'ís na coordenação da distribuição de pacotes de ajuda humanitária entre os residentes das aldeias. “Tínhamos nos preparado com antecedência da melhor forma que pudemos a partir das informações que pudemos obter”, disse a Sra. Pathé, “mas assim que chegamos a uma cidade, nos sentamos com os membros da Assembleia local, oramos juntos, e consultamos sobre as necessidades, as quais eles conheciam profundamente.”


Jovens de Bangui se preparam para viajar com membros do comitê de emergência estabelecido pela Assembleia Espiritual Nacional.

Os jovens estão na vanguarda desses esforços, disse a Sra. Pathé. “Os jovens estavam prontos para entrar em ação assim que o comitê pediu o apoio da comunidade. Eles veem este trabalho como uma extensão do serviço à sua vizinhança: uma contribuição para o progresso material e espiritual da sociedade.


“Eles puderam ver como esse ato de viajar dias para entregar algumas coisas às pessoas em mãos não era apenas para atender a uma necessidade imediata. Encontrar e falar com pessoas que estavam isoladas por tanto tempo, também trouxe incentivo e ajudou a construir laços de unidade, pois todos viram que eles não estão sozinhos em seus desafios - como uma família, há outros em todo o país que cuidam deles e caminham com eles."


Esforços para ajudar são realizados de acordo com as medidas de segurança exigidas pelo governo. Em um esforço coordenado pelo comitê de emergência estabelecido pela Assembleia Espiritual Nacional, suprimentos essenciais são distribuídos em uma comunidade afetada pelo conflito.
Esforços para ajudar foram realizados de acordo com as medidas de segurança exigidas pelo governo. O comitê que trabalha com as Assembléias Espirituais Locais Bahá'ís para preparar as listas de famílias que irão receber a ajuda. Visto aqui, o morador de um vilarejo assina a lista ao receber um pacote.

Há dois meses, o comitê já está pensando em como atender às necessidades de longo prazo, inclusive por meio de projetos de produção local de alimentos.


Com a experiência que adquiriu, o comitê está agora expandindo seus esforços entrando em contato com um número maior de Assembleias Locais Bahá'ís em todo o país.


“Nestes esforços de apoio, muitas vezes trazemos à mente ‘Abdu’l-Bahá, que estava sempre atento aos necessitados e sempre pronto para ajudar”, disse a Sra. Pathé. “Ele nunca hesitou em oferecer ajuda. A Assembleia Espiritual Nacional espera e deseja fazer o mesmo pelo povo de nosso país. O que nos aflige como organismo nacional é que não podemos cobrir todo o país. Nossos esforços até agora são apenas um pequeno começo e estamos aprendendo aos poucos como chegar a todos”.


Fonte: Bahá'í World News Service, orginal em inglês disponível aqui

7 visualizações