• Bahá'í World News Service

COP26: Delegação do BIC oferece princípios e propostas para ações climáticas

Atualizado: 16 de nov. de 2021

GLASGOW, Reino Unido, 12 de novembro de 2021 - Nas últimas duas semanas, representantes da Comunidade Internacional Bahá'í (BIC) têm participado de discussões na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021, conhecida como COP26, destacando a necessidade de repensar a relação entre a sociedade e o mundo natural.


A humanidade está em um momento crucial em que deve reconhecer sua unicidade basilar - que todos compartilhamos a mesma atmosfera e que a cooperação entre todas as nações é necessária para resolver as questões existenciais urgentes que enfrentaremos nas próximas décadas”, diz Daniel Perell, representante do escritório de Nova York do BIC na conferência.

O Sr. Perell se juntou à delegação da BIC na conferência, sendo composta por Serik Tokbolat do Cazaquistão, Peter Aburi do Quênia e Maja Groff da Holanda.


Representantes do BIC (canto inferior esquerdo) na COP26. (Crédito: Kiara Worth)


Em suas contribuições para as discussões, os representantes do BIC ofereceram uma série de propostas concretas. “É necessário um mecanismo para coordenar os aspectos da relação da humanidade com o mundo natural”, disse o Sr. Perell.


Esse mecanismo poderia, por exemplo, servir para mobilizar recursos financeiros em torno de objetivos ambientais e supervisionar sua distribuição. Poderia apoiar os governos nacionais na transição de políticas ambientalmente prejudiciais para o estabelecimento de alternativas mais sustentáveis.”


O Sr. Perell continuou explicando que embora esta seja apenas uma das formas possíveis de organizar os esforços, o importante é garantir que o consenso seja seguido até a implementação e que qualquer abordagem ou mecanismo para lidar com a mudança climática sejam vistos de forma holística. Ele declarou: “Em última análise, órgãos governamentais e tratados ambientais díspares, se reunidos sob o mesmo guarda-chuva, garantiriam maior coerência nos sistemas de governança que supervisionam as mudanças climáticas”.


Maja Groff (à direita) em uma discussão realizada pelo Fórum Internacional do Meio Ambiente, uma organização de inspiração Bahá'í. (Crédito: Sean Miller)


A conferência de doze dias terminou na sexta-feira (12) e reuniu mais de 120 líderes mundiais, bem como várias organizações da sociedade civil, jornalistas e meios de comunicação, empresas e ativistas climáticos em Glasgow, Escócia, para examinar os esforços globais para lidar com a mudança climática.


Em suas contribuições para as discussões, os representantes do BIC exploraram questões morais relacionadas ao consumo e ao materialismo excessivo que estão associados à exploração e degradação do meio ambiente.


O desenvolvimento é frequentemente medido em termos de expansão da capacidade de adquirir bens materiais. As noções sobre o que constitui progresso devem ser reexaminadas com urgência antes que a mudança climática leve a consequências irreversíveis”, disse o Dr. Tokbolat.

O Sr. Aburi explorou ainda mais, declarando: “O movimento nesta direção exigirá que os arranjos econômicos sejam disciplinados de acordo com os ideais elevados e o bem comum”.


Outros temas destacados pelos delegados da BIC em diferentes fóruns incluíram o papel das estruturas internacionais na abordagem dos desafios ambientais, que a BIC explorou em sua declaração. "A Governance Befitting: Humanity and the Path Toward a Just Global Order (Uma Governança Adequada: Humanidade e o Caminho para uma Ordem Global Justa)"


Em uma discussão realizada pelo Fórum Internacional do Meio Ambiente, uma organização de inspiração Bahá'í, a Sra. Groff explicou como uma maior colaboração e compartilhamento de conhecimento entre os países pode contribuir significativamente para a ação climática. “Estamos sugerindo uma espécie de centro de informação de políticas climáticas globais para que os Estados possam compartilhar experiências, aprender com as melhores práticas e realmente acelerar a implementação das políticas climáticas”, disse ela.


Bahá'ís se juntaram a membros de diversas comunidades religiosas na Escócia para fazerem orações inter-religiosas na George Square em Glasgow no dia de abertura da COP26.


Daniel Perell (segundo a partir da esquerda) em uma discussão realizada pelo World Wildlife Fund.


Os representantes da BIC também observaram o importante papel que os indivíduos podem desempenhar na abordagem da mudança climática.


A pandemia nos mostrou o poder da ação local por indivíduos. Vimos uma verdadeira força galvanizadora em direção ao bem comum entre famílias, amigos e vizinhos”, disse o Sr. Perell em uma discussão realizada pelo World Wildlife Fund (Fundo Mundial de Vida Selvagem).


Ele acrescentou: “Esta é uma fonte de esperança da qual podemos extrair lições e aplicá-las às discussões nestes fóruns enquanto confrontamos coletivamente os múltiplos desafios que a humanidade está enfrentando.

Fonte: Bahá'í World News Service, original em inglês disponível aqui.

48 visualizações