• Comunidade Internacional Bahá'í

ATUALIZAÇÃO: 200 agentes do governo iraniano destroem casas bahá'ís e confiscam 20 hectares de terra


Mais de 200 agentes do governo iraniano e agentes locais cercaram a aldeia de Roushankouh, na província de Mazandaran, e usaram equipamentos pesados para demolirem casas pertencentes a bahá'ís.

GENEBRA—2 de agosto de 2022—

Em uma escalada cruel, e apenas dois dias após ataques anteriores aos bahá'ís em todo o Irã, cerca de 200 agentes do governo iraniano e locais isolaram a vila de Roushankouh, na província de Mazandaran, onde vive um grande número de bahá'ís, e usaram equipamentos pesados ​​de terraplenagem para demolir suas casas.


Seis casas foram destruídas e mais de 20 hectares de terra foram confiscados. A casa do Sr. Qulinizhad foi totalmente demolida, e o Sr. Farid Alavi foi preso.


  • Spray de pimenta foi usado para dispersar as pessoas e tiros foram ouvidos durante a operação;

  • As estradas de entrada e saída da aldeia foram bloqueadas;

  • Qualquer um que tentasse enfrentar os agentes era preso e algemado;

  • Os agentes confiscaram os dispositivos móveis dos presentes e proibiram as filmagens;

  • Os vizinhos foram avisados ​​para ficarem em suas casas e impedidos de filmar ou fotografar;

  • As autoridades instalaram cercas de metal robustas para restringir o acesso dos bahá'ís às suas próprias casas.



Os bahá'ís em Roushankouh e em outros lugares do Irã foram alvos muitas vezes no passado, mais recentemente em agosto de 2021 e fevereiro de 2022, com confiscos de terras e demolições de casas. Mas o último movimento segue semanas de intensificação da perseguição aos bahá'ís: mais de 100 foram invadidos ou presos nos últimos dias e dezenas de outros foram alvos desde junho.


“Pedimos a todos que levantem a voz e exigimos que esses atos terríveis de flagrante perseguição cessem imediatamente. Todos os dias desta semana houve novas notícias de perseguição aos bahá'ís no Irã, demonstrando inequivocamente que as autoridades iranianas têm um plano delineado sendo implementado, primeiro com mentiras descaradas e discursos de ódio, depois ataques e prisões, e hoje apropriação de terras, ocupação e destruição de casas”, disse Diane Ala'i, representante da Comunidade Internacional Bahá'í nas Nações Unidas. “Recordando os documentos do governo iraniano de política persecutória sobre os bahá'ís, eu me pergunto, o que virá a seguir? A comunidade internacional deve agir antes que seja tarde demais”.


Para ver o original em inglês, leia aqui.

26 visualizações