• Comunidade Internacional Bahá'í

Agricultura: BIC enfatiza o papel de fazendeiros na elaboração de políticas públicas

Atualizado: 13 de out. de 2021

GENEBRA, 5 de outubro de 2021 - Como é que, apesar de quantidades suficientes de alimento serem produzidas para alimentar a população mundial inteira a cada ano, sistemas alimentares falham em prover segurança alimentar a toda a humanidade?


Para examinar essa pergunta, o Escritório em Genebra da Comunidade Internacional Bahá’í (BIC) promoveu uma discussão durante a Cúpula dos Sistemas Alimentares das Nações Unidas (ONU) - a primeira grande cúpula alimentar desde 1996 que visava alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.


O evento olhou especificamente para a necessidade de inserir fazendeiros no centro das discussões sobre a produção alimentar, e incluiu o representante que foi um Enviado Especial da ONU para a Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU, o Secretário do Comitê de Segurança Alimentar Mundial, o Diretor de Manejo de Conhecimento e Aprendizagem da CARE International, representantes do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, assim como organizações de inspiração Bahá’í com experiência no assunto.


Evidências crescentes sugerem que melhorias em setores produtivos rurais dependem muito de fazendeiros e pessoas envolvidas em agricultura local - algo que tem se tornado cada vez mais aparente durante a pandemia”, disse Simin Fahandej, a representante do Escritório em Genebra, na reunião.


Participantes da reunião da BIC.

Ela continuou: “Entretanto, suas vozes e experiências estão ausentes em sua maioria nas conversas de alto nível sobre sistemas alimentares e processos de elaboração de políticas públicas.”


A maioria das decisões sobre políticas em agricultura e segurança alimentar são tipicamente tomadas longe dos ambientes rurais e realidades locais que dão forma à maneira como as políticas serão implementadas na prática.

Valendo-se dos ensinamentos Bahá’ís, a Sra. Fahandej continuou a explicar que, para gerar mudança, novas concepções sobre o papel de fazendeiros na sociedade são necessárias. “Imagine que novas possibilidades podem surgir se abraçarmos fazendeiros como ‘o primeiro agente ativo da sociedade humana’ e permitirmos que perguntas em relação ao desenvolvimento econômico de comunidades comecem com o fazendeiro?


Nesse sentido, palestrantes exploraram como o conhecimento gerado a nível local sobre produção alimentar por fazendeiros e comunidades pode informar políticas internacionais sobre alimento e agricultura.


Ever Rivera, um representante da organização de inspiração Bahá’i FUNDAEC que tem extensa experiência nas áreas de educação e agricultura, descreveu como concepções restritas e limitadas precisam ser substituídas por uma compreensão mais profunda da natureza humana que enxerga a nobreza de todo ser humano e protege cada um contra o preconceito e o paternalismo.


Pessoas engajadas em diferentes iniciativas na área da agricultura em comunidades Bahá’ís em diferentes países.

O Sr. Rivera elaborou ainda, descrevendo a abordagem da FUNDAEC de desenvolver capacidade nos indivíduos para contribuir ao bem-estar de suas sociedades, em particular apoiando iniciativas voltadas à autossuficiência alimentar.


A FUNDAEC promove abordagens que se valem do profundo conhecimento tradicional dos fazendeiros e das melhores práticas da ciência moderna, permitindo fazendeiros a aperfeiçoarem processos de produção alimentar e a desenvolverem estruturas comunitárias e novos sistemas que apoiam o bem-estar coletivo. Isso inclui o estabelecimento de pequenos grupos de fazendeiros que colaboram e apoiam uns aos outros, o desenvolvimento de um armazém no vilarejo acessível a todos, e mudanças nas práticas de agricultura e na distribuição da produção para eliminar intermediários desnecessários em trazer produtos da agricultura ao mercado.


Discussões no encontro também abordaram o impacto danoso de certos desafios de degradação do meio ambiente, como a erosão do solo, desmatamento em grande escala, e a escassez de água. O Dr. Martin Frick, o representante que foi um Enviado Especial para a Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU, afirmou que "todos esses erros podem ser corrigidos, com nenhum outro meio mais efetivo que através de sistemas alimentares. E isso somente será atingido ao abordar questões de dignidade humana... e desequilíbrios de poder.


O Escritório da BIC em Genebra planeja emitir uma declaração sobre temas relacionados à agricultura e segurança alimentar, enquanto continua promovendo reuniões que exploram esses temas.


Fonte: Bahá’í World News Service, original em inglês disponível aqui.

72 visualizações