Estes são os dias, ó meu Deus, em que ordenaste a Teus servos observarem o jejum, o qual fizeste o adorno ao preâmbulo do Livro das Tuas Leis

Oracoes / Estes são os dias, ó meu Deus, em que ordenaste a Teus servos observarem o jejum, o qual fizeste o adorno ao preâmbulo do Livro das Tuas Leis

Saiba mais!

Conheça as leis bahá'ís sobre o Jejum clicando aqui.

Para ter acesso a informações sobre o Calendário Bahá'í, acesse esta página.

Quer ganhar um e-book de orações?

Gotas de Fé - Sua dose diária de espiritualidade no Facebook.

Curta a página Gotas de Fé no Facebook!

Orações para o Jejum

 

Estes são os dias, ó meu Deus, em que ordenaste a Teus servos observarem o jejum, o qual fizeste o adorno ao preâmbulo do Livro das Tuas Leis, revelado às Tuas criaturas, e a decoração dos Santuários dos Teus mandamentos, aos olhos de todos os que estão em Teu céu e sobre Tua terra. Cada hora destes dias, Tu a tens dotado de uma virtude especial, insondável a todos, menos a Ti, cujo conhecimento abrange todas as coisas criadas. A cada alma, também, designaste uma porção dessa virtude, de acordo com a Epístola do Teu decreto e as Escrituras do Teu juízo irrevogável. E ainda mais, para cada um dos povos e raças da terra, especificaste cada folha desses Livros e Escrituras.

Para aqueles que Te amam ardentemente, reservaste o cálice da Tua lembrança, a cada amanhecer, segundo Teu decreto, ó Tu que és o Rei dos reis! Estes são os que se inebriam com o vinho da Tua múltipla sabedoria, a tal ponto que abandonam os leitos em seu fervoroso desejo de celebrar Teu louvor e enaltecer Tuas virtudes, fogem do sono, ansiosos de se aproximarem de Tua presença e participarem de Tuas dádivas. Em todos os tempos têm seus olhos fitado o Alvorecer de Tua benevolência, e suas faces se volvido para o Manancial da Tua inspiração. Peço-Te que faças chover copiosamente sobre nós, e sobre eles, das nuvens de Tua misericórdia, assim como se espera do céu de Tua generosidade e Tua graça.

Louvado seja Teu Nome, ó meu Deus! Esta é a hora em que descerraste as portas da Tua generosidade ante a face das criaturas, e abriste de par em par os portais da Tua benévola mercê a todos os habitantes do Teu mundo. Imploro-Te - por todos aqueles cujo sangue foi derramado em Teu caminho, os quais, em seu anseio por Ti, se livraram de qualquer apego às Tuas criaturas, e tanto se extasiaram com as doces fragrâncias da Tua inspiração que cada membro de seus corpos entoava Teu louvor e vibrava com Tua lembrança - imploro-Te que não nos prives daquilo que ordenaste, irrevogavelmente, nesta Revelação cuja potência fez toda árvore clamar o que a Sarça Ardente havia proclamado, outrora, a Moisés, Aquele que conversou Contigo - uma Revelação que fez todo seixo, até o mais ínfimo, ressoar novamente em Teu louvor, assim como as pedras Te glorificaram nos dias de Muhammad, Teu Amigo.

A estes, ó meu Deus, concedeste a graça da associação Contigo e da comunhão com Aquele que é o Revelador de Ti próprio. Pelos ventos da Tua vontade foram eles espalhados até que Tu os reuniste à Tua sombra e os fizeste entrarem no recinto de Tua corte. Já que Tu os abrigaste à sombra do pálio da Tua misericórdia, ajuda-os a tornarem-se dignos de tão augusta posição. Não consintas, ó Senhor, sejam incluídos no número dos que, embora fruindo de Tua proximidade, são impedidos de reconhecer Tua face e, embora se encontrando Contigo, são privados de Tua presença.

São estes Teus servos, ó meu Senhor que entraram Contigo nesta Grande Prisão, e dentro de suas paredes observaram o jejum segundo o que Tu ordenaras nas Epístolas do Teu decreto e nos Livros do Teu mandamento. Faze descer sobre eles, pois, o que os possa purificar completamente de tudo o que Te for abominável, para que se devotem inteiramente a Ti, e de tudo, em absoluto, menos de Ti, se desprendam.

Faze chover sobre nós, ó meu Deus, o que for digno de Tua graça e Tua generosidade. Dá-nos o poder, assim, ó meu Deus, de vivermos em lembrança de Ti e morrermos em amor a Ti, e concede-nos a dádiva da Tua presença em Teus mundos do além - mundos insondáveis a todos menos a Ti. És nosso Senhor e o Senhor de todos os mundos, e o Deus de todos os que estão no céu e na terra.

Vês, ó meu Deus, o que sobreveio a Teus bem-amados em Teus dias. Tua glória dá-me testemunho! A voz da lamentação de Teus eleitos ergueu-se por todo o Teu domínio. Alguns foram enredados pelos infiéis em Tua terra e por eles impedidos de se aproximar de Ti e de atingir a corte da Tua glória. Outros puderam acercar-se, mas foram obstados de contemplar Teu semblante. Outros ainda, em sua ansiedade por Te ver, puderam entrar em Tua corte, mas permitiram que, entre Ti e eles, interviessem os véus das fantasias de Tuas criaturas e as injúrias infligidas pelos opressores dentre Teu povo.

Esta é a hora, ó meu Senhor, que fizeste superar a todas as horas e a relacionaste aos eleitos dentre Tuas criaturas. Suplico-Te, ó meu Deus, por Ti próprio e por eles, que ordenes, no decorrer deste ano, o que há de enaltecer os Teus bem-amados. E ainda mais, dentro do presente ano, decreta o que possa tornar luzente e esplendoroso o Sol do Teu poder, sobre o horizonte da Tua glória, e, por Tua soberana grandeza, iluminar o mundo inteiro.

Concede vitória à Tua Causa, ó meu Senhor, e humilha Teus inimigos. Destina-nos, então, o bem desta vida e da vindoura. Tu és a Verdade; és Quem conhece as coisas secretas. Nenhum outro Deus há, senão Tu, o Eterno Perdão, o Todo-Generoso.

- Bahá'u'lláh