Epístola do Fogo

Oracoes / Epístola do Fogo

Ensinamentos Bahá'ís

Saiba mais sobre o que ensina a Fé Bahá'í 

Clique aqui para saber mais.

Quer ganhar um e-book de orações?

Gotas de Fé - Sua dose diária de espiritualidade no Facebook.

Curta a página Gotas de Fé no Facebook!

Desprendimento

Para ter acesso a uma seleção de orações de desprendimento, clique aqui.

Epístolas

 

Epístola do Fogo

Em nome de Deus, o Antiquíssimo, O de Suma Grandeza.

Em verdade, os corações dos sinceros se consomem no fogo da separação: Onde está o fulgor da luz de Teu Semblante, ó Bem-Amado dos mundos?

Os que de Ti estão próximos foram abandonados nas trevas da desolação: Onde está o brilho do amanhecer de Tua reunião, ó Desejo dos mundos?

Os corpos de Teus escolhidos jazem trêmulos em areias longínquas: Onde está o oceano de Tua presença, ó Tu que encantas os mundos?

Mãos que anelam erguem-se ao céu de Tua graça e generosidade: Onde estão as chuvas de Tuas dádivas, ó Tu que respondes aos mundos?

Os infiéis levantaram-se em tirania por todos os lados: Onde está o predominante poder de Tua pena ordenadora, ó Tu que conquistas os mundos?

Retumba o ladrar dos cães em toda parte: Onde está o leão da floresta de Tua grandeza, ó Tu que punes os mundos?

Frieza apoderou-se de todos os homens: Onde está o ardor de Teu amor, ó Fogo dos mundos?

Calamidade alcançou o apogeu: Onde estão os sinais de Teu socorro, ó Salvação dos mundos?

Escuridão envolveu a maioria dos povos: Onde está a cintilação de Teu esplendor, ó Fulgência dos mundos?

Os pescoços dos homens estendem-se em malícia: Onde estão as espadas de Tua vingança, ó Destruidor dos mundos?

A degradação chegou às ínfimas profundezas: Onde estão os emblemas de Tua glória, ó Glória dos mundos?

Tristezas afligiram o Revelador de Teu Nome, o Todo-Misericordioso: Onde está o júbilo do Alvorecer de Tua Revelação, ó Deleite dos mundos?

Angústia sobreveio a todos os povos da terra: Onde estão as insígnias de Tua alegria, ó Júbilo dos mundos?

Tu vês que sugestões perversas encobrem o Lugar em que despontam Teus sinais: Onde estão os dedos de Tua grandeza, ó Poder dos mundos?

Sede penosa afligiu todos os homens: Onde está o rio de Tua graça, ó Misericórdia dos mundos?

A avareza tornou cativa toda a humanidade: Onde estão aqueles que incorporam o desprendimento, ó Senhor dos mundos?

Tu vês este Injuriado solitário em exílio: Onde estão as hostes do céu de Teu mando, ó Soberano dos mundos?

Eu fui abandonado em uma terra estranha: Onde estão os emblemas de Tua fidelidade, ó Fidedigno dos mundos?

As agonias da morte se apoderaram de todos os homens: Onde surge Teu oceano da vida eterna, ó Vida dos mundos?

Os sussurros de Satanás instilaram-se em cada criatura: Onde está o meteoro de Teu fogo, ó Luz dos mundos?

A embriaguez da paixão perverteu a maioria do gênero humano: Onde estão os alvoreceres da pureza, ó Desejo dos mundos?

Tu vês este Injuriado encoberto de tirania entre os sírios: Onde está o brilho de Tua alvorada, ó Luz dos mundos?

Tu Me vês proibido de falar: Donde surgirão Tuas melodias, pois, ó Rouxinol dos mundos?

A maioria do povo envolve-se em fantasia e vãs imaginações: Onde estão os expoentes de Tua certeza, ó Segurança dos mundos?

Bahá afoga-se em um mar de tribulação: Onde está a Arca de Tua salvação, ó Salvador dos mundos?

Tu vês o Alvorecer de Tuas palavras, nas trevas da criação: Onde está o sol do céu de Tua graça, ó Tu que iluminas os mundos?

Extinguiram-se as lâmpadas da verdade e pureza, da lealdade e honra: Onde estão os sinais de Tua ira vingativa, ó Tu que moves os mundos?

Podes Tu ver qualquer um que tenha defendido Teu Ser, ou que pondere sobre aquilo que Lhe sobreveio no caminho de Teu amor? Agora minha pena pára, ó Amado dos mundos.

Os ramos do Loto Divino jazem quebrados pelos vendavais impetuosos do destino: Onde estão as bandeiras de Teu socorro, ó Campeão dos mundos?

Esta Face está oculta no pó da calúnia: Onde estão as brisas de Tua compaixão, ó Misericórdia dos mundos?

O povo da desonra macula o manto sagrado: Onde está a vestimenta de Tua santidade, ó Tu que adornas os mundos?

O mar da graça aquietou-se por causa daquilo que as mãos dos homens cometeram: Onde estão as ondas de Tua generosidade, ó Desejo dos mundos?

A porta que conduz à Presença Divina está cerrada em virtude da tirania de Teus inimigos: Onde está a chave de Teu favor, ó Tu que descerras os mundos?

As folhas amarelam diante dos ventos envenenadores da sedição: Onde estão os eflúvios das nuvens de Tua bondade, ó Tu que dispensas dádivas aos mundos?

O universo está obscurecido com o pó do pecado: Onde estão as brisas de Teu perdão, ó Tu que perdoas os mundos?

Este Jovem está solitário numa terra desolada: Onde está a chuva de Tua graça celestial, ó Tu que conferes bênçãos aos mundos?

Ó Pena Suprema, Nós temos ouvido Teu dulcíssimo chamado ao reino eterno: Dá Tu ouvidos àquilo que a Língua da Grandeza profere, ó Injuriado dos mundos!

Se não fosse o frio, como prevaleceria o calor de Tuas palavras, ó Expositor dos mundos?

Se não fosse a calamidade, como brilharia o sol de Tua paciência, ó Luz dos mundos?

Não lamentes por causa dos malévolos, Tu foste criado para tolerar e suportar, ó Paciência dos mundos.

Quão doce foi Teu despontar no horizonte do Convênio, em meio aos instigadores da sedição, e Teu anseio por Deus, ó Amor dos mundos.

Por Ti a bandeira da independência foi hasteada nos mais altos picos, e o mar da generosidade se encapelou, ó Êxtase dos mundos.

Por Tua solidão irradiou-se o Sol da Unicidade, e por Teu desterro a terra da unidade foi adornada. Sê paciente, ó Tu, o Exilado dos mundos.

Fizemos do rebaixamento o manto da glória, e da aflição o adorno de Teu templo, ó Orgulho dos mundos.

Tu vês que os corações estão cheios de ódio, e a Ti compete não levar isso em conta, ó Tu, Ocultador dos pecados dos mundos.

Quando as espadas cintilam, avança! Quando voam os dardos, segue avante! Ó Tu, Sacrifício dos mundos.

Lamentas Tu, ou deverei Eu lamentar? Antes, chorarei Eu por serem tão poucos Teus defensores, ó Tu que causaste os lamentos dos mundos.

Verdadeiramente, tenho ouvido Teu Chamado, ó Bem-Amado Todo-Glorioso; e agora a face de Bahá flameja com o calor da tribulação, e com o fogo de Tua palavra resplandecente, e Ele se levantou em fidelidade no lugar do sacrifício, esperando Teu beneplácito, ó Tu que ordenas os mundos!

Ó 'Alí-Akbar, agradece teu Senhor por esta Epístola, donde podes inalar a fragrância de Minha humildade e saber o que Nos assediou no caminho de Deus, o Adorado de todos os mundos.

Se todos os servos lessem esta Epístola e sobre ela ponderassem, acender-se-ia em suas veias um fogo que faria flamejar os mundos!

- Bahá’u’lláh