Educar é ensinar a viver

Noticias / Educar é ensinar a viver

Educar é ensinar a viver

A educação é o alicerce para o estabelecimento do princípio da unidade da humanidade, apontado por Bahá’u’lláh, fundador da Fé Bahá’í (religião estabelecida em 236 países e territórios do mundo) quando faz referência ao papel da educação: “Considerai o homem como uma mina rica em joias de inestimável valor. A educação, tão somente pode fazê-la revelar seus tesouros e habilitar a humanidade a tirar dela algum benefício”.

O ser humano tem ao seu dispor potencialidades que se encontram latentes, são "minas ricas em joias" que devem ser levadas a refletir sua beleza e opulência através de um método dinâmico de aprendizagem, pois pensar em educação em seu sentido mais amplo refere-se a extrair ou desenvolver o potencial humano a patamares mais elevados do conhecimento e da ação. Um processo que recai sobre os ombros da família, das comunidades, das escolas e dos professores, e que deve ser entendido não com ênfase exacerbada na assimilação e difusão da informação e do conhecimento, mas como um instrumento de construção de capacidade para o desenvolvimento pleno das habilidades acadêmicas e morais que levarão o indivíduo a aplicar seu conhecimento em prol de si e da humanidade.

O reconhecimento sobre uma concepção integral quando Victor Frankl salienta o fato de o ser humano ser constituído por três elementos fundamentais, Abraham Maslow enfoca a existência de uma dimensão espiritual e nas pesquisas de Howard Gardner ao demonstrar que todos os seres humanos possuem formas distintas de inteligência preconiza refletir sobre o papel do professor, o exercício do magistério e sobre a educação, portanto, como o fio condutor para o desenvolvimento do corpo, da psiquê e do espírito, de modo que as três vertentes do processo tornam-se absolutamente necessárias para a plena realização do homem e consequentemente fundamentando o avanço da civilização.

Enquanto testemunhamos o desequilíbrio da atual estrutura geopolítica, decadência moral, falência das instituições seculares e sucessivas crises em todas as esferas de atuação humana, o exercício do magistério deve ser revestido por um valor e poder especial diante da veemente contribuição dos professores para a prosperidade da humanidade. Conceber a educação como o vetor de construção e avanço de uma civilização leva-nos a atribuir novo significado à posição que o professor tem representado na sociedade: a responsabilidade de fomentar a construção de capacidades em seus estudantes e a importância sem precedentes do amor ao ato de educar. O amor que é a chave mestra deste imensurável desafio.

Recai sobre o professor a divina arte de encaminhar os rumos da educação. Por conseguinte as crianças e os jovens da geração atual serão, indubitavelmente, os governantes do futuro, pois são eles as molas propulsoras para uma civilização em constante progresso.

Ao professor cabe carregar em seu mais íntimo ser o seu ideário, a sua missão: passar ao largo os interesses de ordem material, tendo a firme convicção de que seus talentos e habilidades são fatores indispensáveis na tarefa da educação dos povos.

 

Maryam Assis dos Santos é Pedagoga, Especialista em Psicopedagogia e Mestranda em Ciências da Educação.

 

RSS

Para subscrever a nossa feed RSS de notícias clique aqui