Comunidade Bahá’í e artistas promovem mega projeção na cúpula do Museu da República

Noticias / Comunidade Bahá’í e artistas promovem mega projeção na cúpula do Museu da República

Comunidade Bahá’í e artistas promovem mega projeção na cúpula do Museu da República

Ontem (6) a cúpula externa do Museu da República recebeu uma mega projeção que lançou a campanha internacional “Paint the Change" (Pinte a Mudança) no Brasil. Essa campanha teve início em setembro em Nova York e tem como linha de trabalho a produção de murais de grafite em defesa dos jovens iranianos bahá’is, que não têm acesso ao ensino superior no país.

Para marcar esse momento importante, ontem o Museu Nacional serviu de tela para a projeção das artes produzidas no Brasil e no mundo em defesa dos bahá’ís iranianos que são impedidos de estudar. O evento foi possível graças a parceria entre a Comunidade Bahá’í do Brasil e os artistas envolvidos, que doaram seu trabalho e sua arte em prol das pessoas que há mais de 30 anos são criminalizadas por tentarem estudar. A curadoria das obras projetadas foi feita pelos artistas brasileiros Siron Franco e Bené Fonteles, que tiveram papel fundamental para a execução do evento. Além dos artistas plásticos a festa foi animada pelo DJ Ops e Vavá Afiouni Trio (George Lacerda, Cacai Nunes e Vavá Afiouni). 

Quem está à frente da campanha é o cineasta iraniano Maziar Bahari, que é muçulmano. Já foram feitos murais em diversos lugares do mundo. No Brasil já foram produzidos trabalhos no Rio de Janeiro, Londrina, Brasília, Bauru, Salvador e São Paulo. 

Projeção de obras de: André Santangelo, Carão Fernandes, Carlos Gomes, Daniel Toys, Glênio Lima, Gustavo Amaral, Helena Lopes, Juliana Borgê, Josafá Neves, Luiz Gallina, Mahatma Mahá, Marcelo Melo , Naura Timm, Roberto Santarcângelo, Rômulo Andrade e Vida Nourani. 

Curadoria: Siron Franco e Bené Fonteles 

Animação: Alexandre Rangel 

Projeção: JM Tecnologia 

Música: Vavá Afiouni Trio + DJ Ops

 

Sobre Maziar

 

Maziar Bahari foi repórter da Newsweek no Irã entre 1998 e 2011 e produziu diversos documentários sobre o país, além de reportagens para emissoras de todo o mundo, incluindo a BBC, Channel4, HBO e Discovery. A próxima campanha de Bahari será dedicada à liberdade de expressão e de imprensa no Irã. Durante os Protestos Eleitorais em 2009, foi preso sem acusações e detido por 118 dias — tema do filme “Rosewater” (118 Dias), lançado no Brasil em 2014. 

Também em 2014 Bahari lançou o documentário “To Light a Candle (Educação não é Crime, em seu título em português). "Esse tipo de evento internacional, com foco em alguns dos principais temas levantados pelo documentário, são não apenas instrumentais para chamar atenção para o sofrimento enfrentado pelos bahá'ís ao longo de muitas décadas, mas também um estímulo para mudanças positivas. Enquanto os bahá'ís continuarem a enfrentar injustiças, e enquanto as autoridades iranianas os tratarem como cidadãos de segunda categoria, ainda haverá muito a ser feito", afirma Bahari. 

 

Os estudantes bahá’ís no Irã

Os bahá’ís são a maior minoria religiosa do Irã. Mais de 200 bahá’ís foram executados entre 1979 e 1987, após a Revolução Islâmica, e cerca de 70 bahá’ís encontram-se atualmente presos por causa de sua fé. A comunidade também foi periodicamente perseguida nas décadas antes da revolução. Hoje, os bahá’ís sofrem assédios rotineiros, têm sua subsistência negada, são detidos e aprisionados sob falsas acusações, além de serem impedidos de trabalhar e estudar. 

Em 1987, os bahá’ís do Irã fundaram o Instituto Bahá’í de Ensino Superior (BIHE), uma universidade informal que visa dar aos jovens bahá’ís a oportunidade de aprender. A história do BIHE é tema do filme Educação Não É Crime (To Light a Candle), produzido por Maziar Bahari. O filme utiliza histórias pessoais e um arquivo de filmagem dramático para explorar a perseguição aos bahá’ís e o papel de sua resistência pacífica no movimento democrático no Irã. 

As campanhas Educação Não É Crime e Pinte A Mudança têm o apoio de grandes figuras mundiais, incluindo o Arcebispo Desmond Tutu e a Dra Shirin Ebadi, agraciados com o Prêmio Nobel da Paz, assim como atores de Hollywood como Mark Ruffalo e Rainn Wilson.

 

Para mais informações acesse:

educationisnotacrime.me

paintthechange.me

bahai.org.br

facebook.com/educationisnotacrime

instagram.com/paintthechange

 

Bahá'ís brasileiros

A comunidade bahá'í brasileira é composta por mais de 70 mil indivíduos de todas as origens étnico-raciais e camadas sociais, engajados em processos de transformação social. Está presente em todos os estados e capitais, e em mais de 1.300 municípios. São reconhecidos pela sociedade e governo brasileiros por sua atuação em prol da paz, da liberdade religiosa, dos direitos humanos e da igualdade racial e de gênero.

 


Saiba mais: Education is not a crime | Maziar Bahari | IranWire | Comunidade Bahá’í do Brasil

RSS

Para subscrever a nossa feed RSS de notícias clique aqui