UM TRIBUTO À MEMÓRIA DE
AMATU'L-BAHÁ
RÚHÍYYIH KHANUM


Relatos sobre o Passamento
A Mensagem da Casa Universal de Justiça informando o passamento de Amatu'l-Bahá Rúhíyyih Khanum

Centro Mundial Bahá’í
Haifa, Israel

Mensagem da Casa Universal de Justiça

19 de janeiro de 2000

Aos bahá’ís do mundo.

Nas primeiras horas desta manhã, a alma de Amatu’l-Bahá Ruihiyyih Khánum, bem amada esposa de Shoghi Effendi e o último elo na comunidade mundial bahá’í com a família de Ábdu’-l-Bahá, foi liberada das limitações desta existência terrena. Em meio ao nosso pesar, temos o conforte da certeza de que ela foi reunir-se à glória do Concurso no Alto na presença da Beleza de Abhá.

Para todos aqueles cujos corações ela tão profundamente sensibilizou, a tristeza que esta perda irreparável traz será, no tempo devido, amenizado com a compreensão da alegria que ela estará usufruindo através de sua reunião com o Guardião e com o Mestre, o Qual, Ele próprio, orou no Santuário Mais Sagrado, para que seus pais fossem abençoados com uma criança. Através dos séculos vindouros, os seguidores de Bahá’ú’lláh irão contemplar com deslumbramento e gratidão, a qualidade dos serviços – sempre ardorosos, incansáveis, expeditos – que ela trouxe para a proteção e promoção da Causa.

Em sua juventude, Amatu’l-Bahá já havia se distinguido por suas atividades na América do Norte, e, posteriormente, tanto com sua querida mãe como por si mesma, realizou valiosos serviços à Causa na Europa.

Seus vinte anos de íntima associação com Shoghi Effendi evocou de sua pena expressões de louvor como "minha companheira", "minha proteção", "minha incansável colaboradora nas árduas tarefas que ombreio", A esses tributos ele adicionou, em 1952, sua decisão de elevá-la à posição de Mão da Causa de Deus, após o falecimento de seu ilustre pai.

O choque devastador da perda do amado Guardião fortaleceu sua decisão de dedicar-se inteiramente, com as outras Mãos da Causa de Deus, para o triunfo da Cruzada de Dez Anos, e subseqüentemente engajar-se, com sua intrepidez característica, em suas históricas viagens pelo mundo..

Uma vida tão nobre em suas origens, tão crucial para a preservação da integridade da Fé, e tão rica em seus dedicados, ininterruptos e abnegados serviços, faz-nos convocar comemorações condignas nas comunidades bahá’ís, tanto a nível local como nacional, como também reuniões especiais em sua memória em todas as Casas de Adoração.

Com corações suplicantes, oramos no Sagrado Limiar para que sua alma seja envolvida por infinitas graças celestiais ao assumir sua condigna e merecida posição entre a companhia exaltada do Reino de Abhá.

A Casa Universal de Justiça
 


 
Falece em Haifa alta dignitária da Fé Bahá’í

(Haifa,24 de janeiro) - A sra. Ruhiyyih Rabbani, 89, dignitária internacional da Fé Bahá’í,  foi sepultada nesta domingo, em Haifa, Israel num jardim em frente à casa onde viveu desde 1937. Ela faleceu no dia 19 de janeiro, após longa enfermidade.

Cerca de 1.000 pessoas estavam presentes ao funeral, incluindo o sr. Chris Greenshieldes, Ministro Conselheiro da Embaixada Canadense; a sra. Marsha Von Duerckheim, Consul Geral da Embaixada dos Estados Unidos; o sr. Ariel Kenet do Ministério de Relações Exteriores de Israel; o dr. Roman Bronfman, Membro do Parlamento Israelense; o sr. Amram Mitzna, Prefeito de Haifa; o sr. Shmaryahu Biran, Prefeito de ‘Akká; o dr. Nissim Dana, do Ministério de Assuntos Religiosos de Israel, representando o Governo Central. Presentes também muitos dos integrantes dos órgãos administrativos bahá’ís na Terra Santa, incluindo os membros da Casa Universal de Justiça e Conselheiros Continentais. A comunidade bahá’ mundial fez-se igualmente presente, através de membros de cerca de 80 conselhos governamentais nacionais vindos de várias partes do mundo, inclusive de áreas longínquas como a Mongólia e Samoa.A cerimônia foi simples, consistindo de leituras das Escrituras Sagradas da Fé Bahá’í.

A sra. Rabbani, nascida May Sutherland Maxwell,  era a filha única de William Sutherland Maxwell, um eminente arquiteto de Montreal, e de sua esposa, May Bolles.  Em 1937 casou-se com o falecido Guardião, líder mundial da Fé Bahá’í, Shoghii Effendi Rabbani,  bisneto de Bahá’ú’lláh, o Fundador da Fé.

Em 1951, Shoghi Effendi designou-a para o Conselho Internacional Bahá’í, um corpo de nove membros que preparou o caminho para a eleição da Casa Universal de Justiça,  instituição suprema da Fé que foi eleita pela primeira vez em 1963.  Em 1952, a sra. Rabbani foi elevada à função de Mão da Causa, a mais alta distinção concedida a uma pessoa em seus serviços à Fé Bahá’í. Ela teve um papel crucial no período de transição da direção da Fé, após o falecimento de Shoghi Effendi, em 1957, até a eleição da Casa Universal de Justiça em 1963.  O ministério do Guardião foi de 1921 a 1957.

A sra. Rabbani esteve intimamente envolvida no desenvolvimento do centro mundial da Fé e na expansão global da comunidade bahá’í, de 40 países na época até cerca de 235 países e territórios nos dias atuais. Durante os últimos 35 anos de sua vida viajou por cerca de 185 países e territórios dependentes, promovendo a integração de vários milhões de bahá’ís em todo o mundo em uma comunidade global unificada.

No curso de suas viagens foi recebida por muitos Chefes de Estado e de Governo, e outras figuras proeminentes e diversas, como, por exemplo, o

Imperador Hailê Salassié, da Etiópia; Malietoa Tanumafilli II, de Samoa Ocidental; Presidente Houphouet Boigny, da Costa do Marfim; Presidente Carlos Menem, da Argentina; Primeira Ministra Indira Gandhi, da Índia; Primeiro Ministro Edward Seaga, da Jamaica; e Secretário Geral das Nações Unidas, Javier Peres de Cuellar, a quem, em 1985, presenteou o documento “A Promessa da Paz Mundial” em nome da Casa Universal de Justiça.

Pessoa de prodigiosos interesses e capacidades, a sra. Rabbani, além de ter sido uma administradora eficaz e incansável viajante internacional, era também autora, poeta, palestradora e produtora de cinema.  Dentre seus inúmeros livros, são bem conhecidos “A Pérola Sem Preço”, uma longa biografia de Shoghi Effendi, e “Prescrição para a vida”, que trata da aplicação na vida prática dos ensinamentos espirituais.

Milhares de reuniões devocionais em sua memória estão sendo realizadas a nível local e nacional em todo o mundo.



 
Programa Devocional do funeral de
Amatu'l-Bahá Rúhíyyih Khanum, em Haifa

O funeral da Mão da Causa de Deus Amatu'l-Bahá Rúhíyyih Khanum, ocorreu no jardim próximo à Casa o Mestre, no local há muitos anos adquirido pela Fé e é um dos lugares onde a Abençoada Beleza, Bahá'u'lláh, armou Sua tenda no sopé do Monte Carmelo.
Compartilhamos o programa preparado pela Casa Universal de Justiça para esta ocasião e adicionamos apenas para informação dos amigos os nomes dos bahá'ís que participaram das leituras e orações.

Serviço Fúnebre - Programa

Casa do Mestre

Mensagem aos Bahá'ís do Mundo da Casa Universal de Justiça
- Lida pelo Sr. Ian Semple, membro da Casa Universal de Justiça

Oração Revelada por 'Abdu'l-Bahá
(Entoada no original persa)

- Pela Sra. Shafighe Fatheazam

Oração Revelada por Bahá'u'lláh
("Praise be to Thee, O my God, that Thou hast revealed Thy favours...")

- Pelo Sr. Glenford Mitchell, membro da Casa Universal de Justiça

Excertos de uma Epístola revelada por Bahá'u'lláh
(Know thou, of a truth, that if the soul of man hath walked in the ways of God...")

- Lida pela Conselheira Walker, membro do Centro Internacional de Ensino)

Excertos de uma Epístola revelada por Bahá'u'lláh
("Know thou that every hearing ear..."

- Lida pelo Sr. Douglas Martin, membro da Casa Universal de Justiça

Oração revelada por 'Abdu'l-Bahá
("O Lord, my God and my Haven in my distress!")

- Lida pelo Conselheiro Muhájir, membro do Centro Internacional de Ensino

Oração revelada por Bahá'u'lláh para os mortos
(Entoada no original árabe)

- Pelo Sr. Ali Nakhjavaní, membro da Casa Universal de Justiça

No Túmulo

Oração revelada por Bahá'u'lláh
("From the sweet-scented streams of Thine eternity...")

- Pelo Sr. Farzam Arbáb, membro da Casa Universal de Justiça

Oração revelada pelo Báb
("In the name of Thy Lord, the Creator, the Sovereign...")

- Pelo Sr. Peter Khán, membro da Casa Universal de Justiça

Oração revelada por 'Abdu'l-Bahá
(No original persa)

 



 

Tocante relato do Funeral da Senhora Rúhíyyih Rabbani em Haifa, Terra Santa, 23 de janeiro de 2000

Compartilhamos este breve relato de um dos membros do "staff" que serve no Centro Mundial Bahá'í, traduzido do inglês para o português.

"Domingo, 23 Janeiro 2000

Esta última noite o Santuário do Báb permaneceu iluminado até às 23:30 horas em comemoração da partida da muito amada Ruhíyyih Khanum.  Seu funeral foi realizado às 14:00 horas na Casa do Mestre na Rua Haparsim, 7, com a presença das Mãos da Causa de Deus, dos membros da Casa Universal de Justiça, membros do Centro Internacional de Ensino, Conselheiros e representantes das Assembléias Espirituais Nacionais de toda região do planeta.

Peregrinos e membros do "staff" tiveram o privilégio também de estar presentes nesta ocasião. Enchemos os jardins ao redor da casa enquanto estávamos parados e ouvindo as orações sendo lidas dentro da casa.

O clima do dia estava melancólico e instável, com uma predisposição a nuvens e chuva.  Um arco-íris fugaz apareceu no céu sobre a baía; foi uma bela lembrança do poder do Convênio e da alegria que a morte oferece a cada crente confiante.

Enquanto as orações eram lidas e entoadas na Casa do Mestre, as nuvens retiveram sua chuva, e os cantos dos pássaros podiam ser escutados através do jardim.  Eles pareciam explodir em uma vibrante música depois de completada a Oração pelos Mortos, que foi entoada em Árabe, em notas comoventes. Vitória do momento.

Depois, o ataúde foi conduzido descendo as escadas e atravessando a rua que leva ao jardim e que é seu lugar de descanso final, enquanto que o céu ressoava com o pesar de nossa perda, e as nuvens abriram-se para deixar as torrentes de chuva cair como lágrimas do céu.

O jardim estava cheio de belos arranjos florais revestindo o caminho, e com guarda-chuvas multicores que impediam a visão da sepultura até que era chegado o momento de cada um de nós se aproximar. Por último, quando muitos dos guarda-chuvas desapareceram gradualmente, e a proximidade da sepultura se tornava clara, podia-se conter a respiração e contemplar uma visão espetacular. Tinha uma lona suspensa para resguardar a sepultura, a qual estava rodeada e cheia de cores brilhantes. As paredes da sepultura tinham sido cobertas com flores amarelas brilhantes, e tinham montes de rosas e outras flores de talo longo empilhadas em cada lado das bordas da sepultura.

Assim que cada pessoa vinha  prestar seus respeitos, ele/ela podia escolher uma flor e depositá-la no ataúde, que rapidamente ficou completamente coberto, assemelhando-se à visão de um manto de flores carregadas com tanto amor.

As nuvens de tristeza cederam lugar ao arco-íris de alegria e encanto na beleza da visão."



 

Solenidade de colocação de Flores no Túmulo do Guardião
em Londres

Compartilhamos tradução e email datado de 23/1/2000 da Assembléia Espiritual Nacional do Reino Unido informando de cerimônia de colocação de flores no Túmulo de Shoghi Effendi, em Londres, a saber:

"Queridos amigos bahá'ís,

Por solicitação da Casa Universal de Justiçam a Assembléia Espiritual Nacional tomou as ações necessárias para colocar flores hoje em nome da Casa Universal de Justiça no Túmulo do amado Guardião para assinalar o passamento da Mão da Causa de Deus Amatu'l-Bahá Ruhíyyih Khanum.

Mais de 300 amigos se congregaram no Túmulo do Guardião para testemunhar a colocação das flores e para oferecer orações pelo progresso da alma de Amatu'l-Bahá Ruhíyyih Khanum.

Às 12 horas (GMT), Dra. Wendir Momen, coordenadora da Assembléia Espiritual Nacional e o Sr. Barney Leith, Secretário da Assembléia Espiritual Nacional, depositou solenemente um belo arranjo floral na base do monumento do Túmulo de Shoghi Effendi.

Em seguida, os amigos reunidos em volta do Túmulo, em total silêncio participaram de um breve programa devocional com orações em persa e em inglês para marcar tão solene ocasião.

Logo após os amigos se sentiram livres para oferecer suas próprias orações no Túmulo. Nesta ocasião o clima estava frio, porém fazioa uma dia calmo e radiante. Muitas lágrimas foram derramadas mas todos compreendiam que "a morte é uma mensageira de júbilo" e muitos recordaram dessa reunião de Shoghi Effendi e Rúhíyyih Khanum.

Com amorosas saudações bahá'ís,

Barney Lith, Secretário
Assembléia Espiritual Nacional dos Bahá'ís do Reino Unidos"