Curso Desenvolvimento Espiritual Integral à Luz dos Ensinamentos da Fé Bahá'í



Segunda Parte - Final
ESCLARECIMENTOS CONCLUSIVOS


"O princípio fundamental enunciado por Bahá'u'lláh - crêem firmemente os seguidores de Sua Fé - é que a verdade religiosa não é absoluta mas sim, relativa; que a Revelação Divina é um processo contínuo e progressivo, que todas as grandes religiões do mundo são divinas em origem, que seus princípios básicos estão em completa harmonia, e seus objetivos e propósitos são um mesmo, sendo seus ensinamentos apenas facetas de uma única verdade, que suas funções são complementares, suas doutrinas diferem somente nos aspectos não essenciais e que suas missões representam sucessivas etapas na evolução espiritual da sociedade humana.

É missão de Baha'u'lláh proclamar que já passaram as fases da infância da raça humana, e as convulsões associadas a presente etapa de sua adolescência estão lenta e dolorosamente preparando-a para atingir o estado de adulto e anunciando a aproximação daquela Era das Eras, quando das espadas serão forjados os arados, quando se terá estabelecido o Reino que Jesus Cristo prometeu e a paz do planeta terá sido definitiva e permanentemente assegurada.

"Bahá'u'lláh não declara ser final Sua própria Revelação; antes, estipula que uma mais plena medida da verdade que o Todo-Poderoso O incumbiu de conferir à humanidade, em tão crítica altura em seu destino, há de ser revelada em futuras etapas na constante e ilimitada evolução do gênero humano.

"A Fé Bahá'í sustenta a unidade de Deus, reconhece a unidade de Seus Profetas e inculca o princípio da unidade e solidariedade da inteira raça humana; proclama ser necessária e inevitável a unificação da humanidade, da qual - declara - ela pouco a pouco se aproxima, e assevera que nada menos que o Espírito de Deus, com Seu poder transformador, atuando através de Seu escolhido Porta-Voz neste dia, conseguirá finalmente efetivá-la. Ademais, incumbe aos seguidores o dever primário de uma desembaraçada busca da verdade, condena toda espécie de preconceito e superstição, diz ser o objetivo da religião promover a amizade e concórdia, proclama sua harmonia essencial com a ciência, e a reconhece como o fato primaz na pacificação, na ordem e no progresso da sociedade humana.

"A Fé Bahá'í mantém inequivocamente o princípio de direitos, oportunidades e privilégios iguais para homens e mulheres, insiste em educação compulsória, elimina extremos de pobreza e riqueza, suprime a instituição do clero, proíbe a escravidão, o asceticismo, a mendicância e o monasticismo, prescreve a monogamia, procura evitar o divórcio, acentua a necessidade da estrita obediência por parte de cada um a seu governo, e exalta ao nível de adoração qualquer trabalho executado em espírito de serviço, recomenda com urgência a criação ou a seleção de uma língua internacional auxiliar, e delineia os esboços daquelas instituições que devem estabelecer e perpetuar a paz geral da humanidade.

Dados históricos

"A Fé Bahá'í gira em torno de três Figuras Centrais. A primeira, um jovem nativo de Shiráz [na antiga Pérsia, atual Irã], de nome Mirzá’Alí-Muhammad, conhecido como o Báb (a porta) o qual, em maio de 1844, com a idade de vinte e cinco anos, anunciou ser Ele o Arauto que, segundo as Sagradas Escrituras das Revelações anteriores, deveria anunciar o advento de um Ser maior do que Ele Próprio e Lhe preparar o caminho, Cuja missão seria - de acordo com aquelas mesmas Escrituras - a inauguração de uma era de retidão e paz, uma era que seria saudada como a consumação de todas as anteriores e a iniciação de um novo ciclo na história religiosa da humanidade.

"Rápida e severa perseguição, ateada pelas forças organizadas da Igreja e do Estado em Sua terra natal, precipitou sucessivamente Sua prisão, Seu exílio e Sua execução, em julho de 1850, por um pelotão de fuzilamento na praça pública de Tabriz.

"Nada menos de vinte mil de Seus seguidores foram trucidados com tão barbara crueldade que evocou a fervorosa compaixão, bem como a admiração incondicional, de vários escritores, diplomatas, viajantes e eruditos do Ocidente, alguns dos quais testemunharam esses abomináveis ultrajes e se sentiram constrangidos ao anotá-los em seus livros e diários.

"Mírszá Husayn-Alí, conhecido como Bahá'u'lláh (a Glória de Deus), nativo de Mázindarán, cujo advento o Báb predissera, também foi vitima daquelas mesmas forças de ignorância e fanatismo. Foi encarcerado em Teerã e exilado, em 1852, de Sua terra natal para Bagdá, de lá para Constantinopla e Adrianópolis e, finalmente, para a cidade-prisão de ‘Akká, onde per-maneceu encarcerado por nada menos de vinte e quatro anos. Faleceu em 1892.

"Durante Seu exílio, especialmente em Adrianópolis e em ‘Akká, formulou as leis e preceitos de Sua Revelação; expôs, em mais de cem volumes, os Princípios de Sua Fé; proclamou Sua mensagem aos reis e governantes do Oriente, como também do Ocidente, tanto cristãos como rnuçulmanos, dirigiu-se ao Papa, ao Califa do Islã, aos principais magistrados das repúblicas do continente americano, à inteira ordem sacerdotal cristã, aos chefes do Islã xiita e sunita e aos sumos pontífices da religião zoroástrica.

"Nesses escritos proclamou Sua Revelação, convocando aqueles aos quais se dirigia para atenderem ao Seu chamado e esposar Sua Fé, advertindo-os das conseqüências se recusassem e, em alguns casos, Ihes denunciando a arrogância e a tirania.

"Seu filho mais velho, 'Abbás Effendi, conhecido como ‘Abdu’l-Bahá (o servo de Bahá), por Ele nomeado Seu legítimo sucessor e autorizado intérprete de Seus ensinamentos, que desde a primeira infância havia estado intimamente associado com o Pai e que participou de Seu exílio e Suas tribulações, continuou preso até 1908 quando, em conseqüência da Revolução dos Jovens Turcos, foi posto em liberdade. Estabeleceu residência, então, em Haifa, e pouco depois, embarcou em viagem de três anos para o Egito, Europa e América do Norte, no decorrer da qual expôs, diante de vastos auditórios, os ensinamentos de Seu Pai, e predisse a aproximação daquela catástrofe que breve sobreviria à humanidade. Regressou à Sua casa na véspera da Primeira Guerra Mundial, durante a qual estava exposto a constante perigo até a liberação da Palestina pelas forças sob o comando do General Allenby, quem mostrou a máxima consideração a Ele, como também ao pequeno grupo de Seus companheiros no exílio, em ‘Akká e Haifa.

"Em 1921 faleceu e foi sepultado no mausoléu que fora erigido no Monte Carmelo, segundo as explícitas instruções de Bahá'u'lláh, para os restos mortais do Báb, transferidos anterior-mente de Tabriz para a Terra Santa, depois de haverem sido preservados por nada menos de sessenta anos em um lugar de segredo.

"O passamento de 'Abdu’l-Bahá marcou o término da primeira Época - a Época Heróica da Fé Bahá'í - e assinalou o início da Época Formativa destinada a testemunhar a gradativa aparição de sua Ordem Administrativa, cujo estabelecimento fora predito pelo Báb, cujas leis foram reveladas por Baha'u'llah, o esboço da qual 'Abdu’l-Bahá delineou em Sua Última Vontade e Testamento e os alicerces da qual estão sendo lançados agora pelos concílios nacionais e locais, eleitos pelos declarados aderentes da Fé...

"Essa Ordem Administrativa, diferente dos sistemas evoluídos após o falecimento dos Fundadores das várias religiões, é divina em origem, apoia-se seguramente nas leis, nos preceitos e regulamentos e nas instituições que o próprio Fundador da Fé especificamente formulou e de um modo inequívoco estabeleceu, e ela funciona de estrito acordo com as interpretações dos autorizados intérpretes de suas sagradas escrituras.

"Embora sempre, desde seu início, tenha sido violentamente atacada, tem obtido sucesso - em virtude de seu caráter único nos anais da história religiosa do mundo - em manter a unidade de seus partidários tão diversos e largamente espalhados, e habilitá-los a iniciar, unida e sistematicamente, em ambos os hemisférios, empreendimentos que visam a Ihe estender os limites e consolidar as instituições administrativas.

"A Fé que tal Ordem serve, salvaguarda e promove - deveríamos a esta altura notar - é essencial- mente sobrenatural, supra-nacional, inteiramente apolítica, não partidária e diametralmente oposta a qualquer política ou escola de pensamento que procure exaltar alguma raça, classe ou nação em especial. Está livre de toda e qualquer forma de eclesiaticismo, não tendo clero nem ritual, e é sustentada, exclusivamente, por contribuições voluntárias de seus declarados aderentes.

"Embora leais a seus respectivos governos, embora imbuídos de amor a seu próprio país e ansiosos de lhe promover em todas as oportunidades os melhores interesses, os seguidores da Fé Bahá'í, entretanto, vendo o gênero humano como uma única entidade, e profundamente devotados aos interesses vitais dessa entidade, jamais hesitarão em subordinar todo interesse particular, seja pessoal, regional ou nacional, aos interesses sobrepujantes da generalidade da raça humana, bem sabendo que, em um mundo de povos e nações interdependentes, o benefício da parte é melhor alcançado através do benefício do todo, e que nenhum resultado duradouro poderá ser obtido por qualquer uma das partes componentes se os interesses gerais da própria entidade forem negligenciados." Shoghi Effendi 15


<-- Sexta Lição | Home | Referências -->



Webmaster - Comunidade Bahá'í do Brasil